quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Esses bancos, pobres bancos...





Poucas vezes vi uma manobra tão sórdida para socorrer os bancos brasileiros quanto a que está ocorrendo agora, no primeiro semestre de 2017. Criaram um aqueduto direto entre o fundo de garantia dos trabalhadores e as burras dos bancos. Disfarçaram isso de socorro aos trabalhadores.

O endividamento dos trabalhadores brasileiros é daquele tipo de imoralidade que todos conhecemos. Não tem paralelo no mundo e na História. Sob juros reais escandalosos, homens e mulheres tentam sobreviver no Brasil. Endividados, humilhados e combalidos.

Por certos motivos circunstanciais, os bancos brasileiros estão com dificuldade momentânea de obter os superlucros a que estão habituados. Então alguém teve uma ideia sensacional: vamos roubar aquele dinheiro inútil, que está lá, "parado": o fundo de garantia.

Contando com o habitual auxílio do governo e a sempre solerte colaboração da mídia, vieram com essa: vamos "liberar" o fundo de garantia para o trabalhador usar "como quiser". Ou seja, em vez de usar para comprar sua casa própria, ele pode usar esse dinheiro para... entregar aos bancos!

A manobra é de um cinismo tão agudo e de uma maldade tão brutal que não cabe em palavras. Cumprindo o que acabei de prometer, paro por aqui.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

O assassinato de Paulo Francis




Franz Paul Trannin da Matta Heilborn (1930-1997)


A tevê me lembra que fazem vinte anos que Paulo Francis morreu, vítima de infarto, em Nova Iorque. Resolvi rever "Caro Francis", de Nelson Hoineff um extenso documentário sobre ele. Está no Youtube, aqui. Mais adiante aponto em que momentos aparece o assunto deste post.

Paulo Francis foi o jornalista mais inteligente, provocador e polêmico que o Brasil jamais teve. É o nosso equivalente de H. L. Mencken. A primeira vez que li seus textos tinha 13 anos, lendo o Pasquim, em 1969. Não entendia direito mas já adorava, principalmente em contraste com idiotas que habitavam o jornal, como o Ziraldo. Mais tarde, relendo suas crônicas, entendi quase tudo.

Francis foi trotskista, o que eu mesmo me tornaria mais tarde, em minha curtíssima vida de militante. Depois trocou essas ideias pelas próprias e no fim arrumou emprego na TV Globo, o que deixou a esquerda indignada mas não eu.

O flaflu da internet hoje está em polvorosa em torno da questão se foi o não a Lava-jato e o juiz Moro os responsáveis pelo AVC que matou Marisa Letícia Lula da Silva.

Paulo Francis teve um infarto também associado a uma perseguição, mas muito mais nítida: uma SA estatal resolveu persegui-lo pessoalmente como jornalista. Ironicamente, a mesmíssima Petrobras que hoje é satanizada como fonte de corrupção petista. No documentário, esse caso começa em 1:09:30 e vai até o fim.

Como funcionam as SAs como a Petrobras


Como funciona a gestão de uma Sociedade Anônima? É controlada pelos seus acionistas. Acontece que há um acionista majoritário, ou controlador, que como o nome diz controla tudo, principalmente a diretoria e as assembleias de acionistas. Os minoritários, portanto, são apenas figurativos, que estão lá para auferir os lucros oriundos das suas ações na companhia, desde que a gestão organizada pelo majoritário resulte em lucro.

Portanto, as SAs não são nem sociedades nem anônimas. A Petrobras, por exemplo, tem dono: chama-se Governo Federal Brasileiro. E este acionista majoritário tem um chefe, que se chama presidente da República. Esse cara nomeia e demite, a seu bel-prazer, o presidente da Petrobras. Além disso, o presidente da República diz ao presidente da Petrobras o que fazer ou deixar de fazer com um telefonema, sob pena de demiti-lo.

O presidente da Petrobras, portanto, é um funcionário subordinado ao presidente da República.

Muito bem, dando nomes aos bois: Paulo Francis, baseado em fontes que nunca revelou, declarou, aos quatro ventos no programa Manhattan Connection, que a Petrobras sempre foi a maior fonte de corrupção que o Brasil jamais teve, que era dirigida por uma quadrilha chefiada por seu presidente, um sujeito chamado Joel Rennó. Afirmou que os membros de sua diretoria tinham dinheiro na Suíça.

Paulo Francis antecipou em 20 anos algo que hoje qualquer sujeito em qualquer botequim do mundo sabe: a Petrobras é um celeiro de corrupção. Hoje isso tudo foi investigado. Na época, foi tudo ao contrário.

A diretoria da Petrobras em 1996 obviamente se sentiu pessoalmente ofendida. Então fizeram o seguinte: contrataram caríssimos advogados para processar Paulo Francis nos Estados Unidos por danos morais. Valor da ação: 100 milhões de dólares! Com que dinheiro eles moveram essa ação? Com dinheiro da Petrobrás! Ou seja, comprovando que agiam como bandidos e rapinadores, protegidos por... por quem mesmo?

Protegidos pela impunidade garantida por seu chefe: Fernando Henrique Cardoso.

Quando o mandante manda por omissão abjeta


Como Fernando Henrique fez isso? Ele jura de pés juntos que "sugeriu" ao Joel Rennó que retirasse a ação. Que explicou ao Rennó que "o Francis é assim mesmo, fala sem pensar...", "deixa pra lá...". E depois esqueceu o assunto, como é do seu feitio. O depoimento de José Serra e de Fernando Henrique no documentário está em 1:14:17 e 1:14:39 respectivamente. FHC termina assim: "Não sei. Tiraram a ação?". Pausa para vomitar.

Fernando Henrique nunca teve apego ao trabalho, isso é notório. Gosta mesmo é de honrarias, sempre quis ser presidente da ONU, daí tantas viagens internacionais. Entre as muitas comendas e medalhas que ostenta, está mais essa: a morte de Paulo Francis. No peito ignóbil de Fernando Henrique, haverá sempre cravada uma medalha à sua covardia, sua inoperância, sua preguiça mórbida, sua vaidade suprema.

Sabendo que seu chefe era um banana, um invertebrado, Rennó ignorou o conselho e continuou a ação absurda que exigia de um jornalista 100 milhões de dólares, usando (roubando) dinheiro do povo brasileiro para ajuizar a ação que dizia ser pessoal.

A conexão entre o processo e o infarto de Paulo Francis é admitido com maior ou menor ênfase por muitos depoimentos no documentário, de gente de todos os matizes, inclusive o nada "petralha" Diogo Mainardi. Sônia Nolasco, viúva de Francis, no final, totalmente combalida, afasta a hipótese. "Acho que era a hora dele". Mas suas lágrimas não mentem.

Fernando Henrique teve o descaramento de perguntar uma vez: "Ué... mas então não tiraram aquela ação?". É muito abjeto, muito enauseante.

Fernando Henrique Cardoso foi o menor Fernando Henrique Cardoso que o Brasil teve em toda sua história.

Paulo Francis foi o maior Paulo Francis que o Brasil teve em toda sua história.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Teori não foi assassinado. Mas ainda pode ser




Como a internet é uma imensa mesa de bar com 4 bilhões de pessoas e nenhum garçom, pouco me comovem teorias conspiratórias e as bobagens que pululam aqui. A novíssima é o "assassinato" do ministro do Supremo Teori Lavascki. Particularmente, prefiro atribuir a queda do avião ao fato de o sangue de San Gennaro não ter se tornado líquido nas mãos do papa Francisco em 16 de dezembro, o que sempre prenuncia catástrofes no ano seguinte.

Teori não foi assassinado pelo simples fato de que não há nenhuma prova ou indício disso. Pelo que aprendemos nos filmes policiais, temos um corpo e até motivos, mas não temos a arma. Ponto. Quando e se houver (daqui a um ano) conversamos de novo.

Afastada a hipótese de assassinato, resta saber como assassinar o ministro depois de morto. Tem dois jeitos:

1. Interromper a homologação das 77 delações premiadas que ele estava cuidando e aguardar a indicação de um outro ministro pelo Temer, citado 47 vezes só nas delações que vazaram. Esse processo pode se arrastar por meses e favorecerá a todos os delatados nas delações, especialmente as "novidades" tipo Temer e a turma do PSDB até agora protegidos por omissão pelo juiz Moro.

2. A presidente do supremo Cármen Lúcia distribuir o processo ao Gilmar Mendes, que anda de carona e de mãozinha dada com o Temer, além de ser conhecido por sua incontinência verbal e jurídica.

Agora vai começar uma lenga-lenga técnica para saber qual é a saída juridicamente correta para esse impasse. Não há. Vamos lembrar da posse do Sarney, que assumiu a presidência no grito.

Numa crise muito mais grave, Sarney foi empossado no grito


Em 1985, Tancredo Neves foi "eleito" por um maldito colégio eleitoral, numa eleição consentida pelos militares, uma vez que o movimento pelas Diretas Já foi barrado no Congresso, que já era tão podre quanto agora e quanto sempre foi. O candidato derrotado foi Paulo Maluf, ele mesmo.

Mas Tancredo ficou doente e não tomou posse. Não conseguia assinar o termo de posse. Aliás, estava mortinho da silva no dia em que assumiria a presidência.

O suspense foi terrível: e agora? O que fazer com o país? O primeiro presidente civil depois da ditadura estava tecnicamente morto (conspiradores diziam: "Foi assassinado pelo ACM!" etc.) e alguém tinha de tomar posse. Os militares já tinham recebido ordens de Washington de voltar à caserna. A história não suporta vácuo. As soluções eram empossar o segundo lugar (Maluf), convocar novas eleições indiretas ou... empossar o candidato a vice, José Sarney.

Ora, Sarney não era vice de nada, pois só seria vice se o presidente eleito tomasse posse. Portanto, no rigor da lei, não era porcaria nenhuma.

Então Ulysses Guimarães resolveu a parada no grito: "Assume o vice e ponto final!".

Ulysses era presidente da Câmara dos Deputados e não tinha tecnicamente autoridade para decidir porcaria nenhuma. Mas deu o grito na hora certa e resolveu a parada. Quem poderia dar esse grito hoje é a presidente do Supremo. Mas daí seria preciso que ela tenha um mínimo de espinha dorsal. Terá?

Sarney, que até então era do time dos militares, assumiu e fez um dos piores e mais desastrosos governos da História. Quando ele tomou posse, o general Figueiredo se recusou a passar a faixa, por considerá-lo um traidor. Para o Tancredo, passaria a faixa. Para o Sarney, não. Foi patético.

Foi assim, meninos. Eu vi.


segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Todo livro é de autoajuda




Vamos parar com essa história de classificar certos livros como sendo de "autoajuda" e outros não. Todo livro é de autoajuda pelo simples fato de que não vem com o autor junto para dialogar com você. É você, o livro e ninguém mais por perto.

Imagine um livro que estabeleça uma relação entre a filosofia de Kant e as composições de Anton Webern, que nem contemporâneos foram. O texto, quase ininteligível, não chegaria a conclusão alguma. Mostraria apenas intrincadas reflexões e traria no fim uma extensa bibliografia de livros que você jamais encontrará pois estão esgotados, dois terços deles em alemão.

Agora imagine um livro que traga 10 truques infalíveis para ser feliz, prontinhos para usar. Basta seguir os passos como numa receita de bolo. (Aliás, ninguém reclama da existência de livros de receitas culinárias, a não ser que as receitas sejam incompletas ou erradas ou metidas a filosóficas.)

O primeiro livro diz ao leitor: vire-se, tire suas próprias conclusões e não conte comigo. Em outras palavras... ajude-se! Trata-se visivelmente de um livro de autoajuda intelectual. Se você não entendeu nada, problema seu.

O segundo livro diz ao leitor: eu ajudo você a ser medíocre em sua mediocridade e garanto que após a leitura você será mais medíocre ainda. Siga esses conselhos e... faça! Trata-se também de um livro de autoajuda, só que honesto. Se você não ficou feliz, problema seu.

Este post não é uma "defesa" dos livros considerados de autoajuda. Escrevi apenas porque chavões me incomodam principalmente quando vêm de gente que usa chavões supostamente para combater chavões...

A diferença que existe, portanto, é entre livros rasos, escritos para gente simplória e rasa, e livros complexos, para gente mais instruída e cognitivamente mais sofisticada. Os primeiros vendem mais porque a esmagadora maioria dos habitantes é simplória e rasa.


sábado, 14 de janeiro de 2017

O bode na própria sala




Quando o ministro das Comunicações e mais-sei-lá-quê Gilberto Kassab anunciou e depois desanunciou o limite de acesso para a banda larga, fiquei com algumas pulgas atrás da orelha: quem era o bode e de quem era a sala? Enfim, a quem ele quis enganar com essa manobra? Nós, usuários e eleitores?

Acho que não. Acho que os políticos brasileiros estão desenvolvendo uma nova modalidade de bode-na-sala: o bode na própria sala. São tão abjetos que, com essa manobra, querem enganar seus donos, não seus eleitores.

Funciona assim (senta que lá vem teoria conspiratória):

1. Os donos (as teles, no caso) mandam uma ordem ao ministro: "Decreta ai um limite para a banda larga, inventa um "excesso" que não existia e nos deixe cobrar por esse novo excesso. Precisamos, queremos desesperadamente ganhar mais dinheiro sem fazer nenhum esforço extra. Faz parte da nossa natureza e é para isso que pusemos você aí".

2. O ministro engole em seco. Está numa enrascada. Sabe que vai levar paulada do segundo país com maior número de usuários da web do mundo. Que vai ser vítima de uma campanha não viral, mas virulenta. Engole em seco mas diz aos seus donos: "Sim sinhô".

3. E aí tem uma ideia genial. E se ele, em vez de simplesmente assinar a portaria e colocar a coisa em vigor, tratasse de anunciá-la?

4. Foi o que fez. Colocou a cara para bater e levou porrada de tudo quanto é lado. Então, com a cara sangrando e os primeiros hematomas, foi à casa do seus donos e argumentou: "Vejam só, vejam como eu apanhei. Acho que não vai dar certo... Que tal voltar atrás? Fico com a fama de covarde, indeciso, mas logo esquecem. E vocês nem tchum; afinal, as porradas levei eu".

Nenhum ministro é obrigado a "anunciar" medida nenhuma. Se estiver em suas atribuições, vai lá, assina e a coisa entra em vigor.

Quem anuncia quer testar. E quem quer testar quer colocar o holograma de um bode na sala, não um bode de verdade.


sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

O príncipe dos psicopatas



Todos que fizeram ou tentaram fazer qualquer negócio com João Doria Júnior se deram muito mal. Desta vez, quem se dará mal são os paulistanos, que escolheram fazer o péssimo negócio de o elegerem.

Ao contrário do estado, a cidade de São Paulo tem um eleitorado nervoso, que raramente reelege prefeitos. O último que ficou mais de quatro anos foi Prestes Maia, fora Kassab, que era vice. Ingovernável e de problemas insolúveis, São Paulo gosta de mudar, mudar e mudar.

Seus prefeitos adotam sempre medidas anódinas ou laterais, que não atacam os principais inimigos da cidade: a máfia do transporte e a máfia do lixo. Um tira outdoors, outro pinta ciclovias. Por aqui, nas redondezas, o último prefeito que tentou se meter com a máfia do transporte levou um tiro na testa: Celso Daniel.

Doria ou tem compulsão pelo roubo, como aquelas pessoas que roubam até a própria faxineira, ou é um embusteiro consciente e incorrigível. Discutindo com uma amiga, defendi a primeira hipótese, a da cleptomania. Trata-se de uma afecção clínica, não de caráter.

Doria já foi prefeito de um pedacinho de São Paulo, a praça Claudio Abramo, em frente à sua empresa na época. Roubou o espaço público, instalando lá, sem nenhuma autorização, uma escultura de sua mulher, Bia Doria, como se ela fosse uma escultora que tivesse obras públicas. O caso está aqui.

Imaginem o que fará com uma cidade inteira à sua disposição.

Na hipótese de doença incontrolável, ele não conseguirá resistir. Na outra hipótese – falta de caráter – também não resistiria.

Empreendedor da própria imagem


Doria nunca fabricou um único palito de fósforos ou um único evento de natureza cultural ou educativo. Produziu eventos, revistas e programas de televisão com o claro objetivo de bajular empresários e gente de quem pretendia bater a carteira de alguma forma.

Agora ele tem nas mãos o quarto maior orçamento do país e governa a maior cidade do hemisfério sul do planeta. É fácil imaginar o que fará. Com 15 dias de governo, anunciou que vai roubar o leite das crianças do ensino fundamental.

Ao tomar posse, citou no discurso seu livro de cabeceira, escrito pelo Maquiavel moderno e considerado "a bíblia dos psicopatas". O livro se chama As 48 Leis do Poder, de Robert Greene. Um belo artigo de Eliane Brum a respeito foi publicado no El Pais. Está aqui.

Fez isso sem corar.

Doria foi eleito democraticamente. Lógico que deu uma roubadinha "básica" nos gastos de campanha interna do partido para ser candidato, o que fez o tucano há 20 anos Andrea Matarazzo sair indignado do partido, mas isso o povo do PSDB que se entenda e os paulistanos que o mereçam.

Uma vez, fiz uma reunião com João Doria porque a editora onde eu trabalhava faria um evento em Campos do Jordão. Avisei nossa diretora de Publicidade sobre os riscos, não adiantou nada. Ela estava hipnotizada pelo canto de sereia de João Doria Júnior.

Saí da reunião sem fechar nenhum negócio. Esperando o táxi, conferi minha carteira, estava no bolso.

Respirei aliviado.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Sobre fardas e batinas: Fidel e Dom Paulo, descansem em paz e não me aborreçam mais


Nunca gostei de gente que usa fardas e batinas, vivos ou mortos, de "direita" ou de "esquerda", "reacionários" ou "progressistas". O hábito faz os monges, comandantes e cardeais. Ah, quase esqueço daquele judeu de solidéu que foi pego roubando gravatas em Nova Iorque, o rabino Sobel, que aliás estava na missa do Vladimir Herzog.

Fidel Castro, por exemplo, está entre os fardados "revolucionários". Não tirava aquela farda nem para tomar banho, muito menos para discursar por 350 minutos em média. Devia ser a mesma farda que usou em Sierra Maestra, quando deu um pontapé sensacional no idiota Fulgencio Batista, um sujeito que conseguia ser mais corrupto do que o nosso Cunha.

O que Fidel fez com a ilha? Octavio Paz resumiu tudo: "transformou Cuba de um bordel americano em um quartel soviético".

Mas a bola da vez é o Paulo Evaristo Arns, muitíssimo mais unânime do que Fidel, pelo menos no Facebook e na tevê. Sabemos o que Nelson Rodrigues nos ensinou sobre unanimidades ("toda unanimidade é burra") mas caso é que Dom Paulo em si não tinha nada de burro.

Era um espertalhão. Passou para a história como um corajoso e inteligente combatente da ditadura. Não deu tanta bandeira e não foi tão nefasto quanto sua coleguinha madre Teresa de Calcutá, prestes a virar santa quando na verdade era um demônio encarnado (basta dar um google e ver o que ela fazia com o dinheiro que arrecadava e com as criancinhas que "salvava"). A verdade é que dom Paulo mais atrasou do que promoveu a queda da ditadura.


Recontando a história


Nos anos 70, me lembro pessoalmente, criticar o stalinista Fidel Castro com argumentos à esquerda era considerado um crime pelo pessoal de esquerda. Quem fizesse isso era imediatamente confundido com os americanos, com a direita etc.

O mesmo acontecia com Dom Paulo e a sua igreja "progressista".

Dom Paulo era o principal chefe dessa ala progressista da igreja no Brasil e usava o seguinte truque:

1. Quanto mais alto Dom Paulo subisse na hierarquia católica, mais imune ficaria a uma possível prisão, pois prender um chefão da igreja católica significaria comprar briga com o Vaticano.

2. Ao mesmo tempo, ele deveria fazer coisas inócuas, pois assim os militares não teriam sequer motivo (perante o Vaticano) para atacá-lo ou à sua turma.

3. Em meados dos anos 1970, a ditadura dava sinais de que em breve cairia e Dom Paulo e a igreja seriam alçados como co-responsáveis pela sua queda sem correr grandes riscos.

Uma outra parte da igreja, os frades dominicanos, foi mais ousada. Defendeu guerrilheiros, teve membros presos e torturados. O que seus frades passaram nas mãos de torturadores brasileiros fazem o "calvário" do imaginário Jesus parecer uma sessão de cócegas. Dizem (nunca saberemos ao certo) que foi um deles quem delatou sob tortura o local onde Mariguela teria aquele encontro na alameda Santos que resultou em seu assassinato. Um desses dominicanos se matou em Paris.

Dom Paulo "apoiou" seus irmãos dominicanos, mas de forma bastante tímida. Jamais pôs em risco sua integridade física como os dominicanos fizeram com os militantes presos que defendiam. Aparentemente, os dominicanos leram uma edição do Novo Testamento muito diferente da lida por Dom Paulo. Ah, essas editoras...

Fato é que os dominicanos não tinham uma figura proeminente e dócil como Dom Paulo. Portanto, pau neles. E não foi pouco. As torturas foram sórdidas como sempre.

Mas quais eram as coisas "inócuas" promovidas pela turma de Dom Paulo? Eram umas coisas chamadas Comunidades Eclesiais de Base. Esse nome era de fachada. Na verdade, eram grupos feitos na periferia para atrair jovens católicos e montar peças de teatro com conteúdo "crítico". Eram uma união secreta entre a igreja progressista de Dom Paulo e o ultra-stalinista PCdoB, então devoto de Mao Tsé Tung.

Um exemplo dessas peças era uma que se intitulava "Um Pãozinho e Duas Laranjas" porque este era o conteúdo da ração que se dava aos trabalhadores que estavam construindo a rodovia dos Imigrantes. Na cena mais forte, a menina olha para um berço e pergunta: "Mamãe, por que o bebê tá roxinho?". Na cabeça dessa gente, ao saber que alimentavam mal os trabalhadores da Imigrantes, o povo da periferia concluiria, por osmose, que a revolução etc etc. Me poupem.

Mas, como as comunidades se chamavam Eclesiais, tinha de ter uma reza aqui outra acolá. Uma mistureba mais indigesta do que um pãozinho e duas laranjas.

Dom Paulo, verdade seja dita, fez outras coisas não tão estúpidas quanto peças de teatro ridículas nas periferias. Cedia espaços bilionários da igreja sem cobrar aluguel para eventos progressistas, sendo o mais famoso deles a missa ecumênica quando o jornalista Vladimir Herzog foi assassinado. Cedeu o teatro da PUC para um encontro da SBPC, que a ditadura queria que não ocorresse, entre outras coisas. Enfim, deu uma arriscadinha aqui outra acolá.

Mas vasculhem sua biografia sobre temas da própria igreja católica: quantas vidas ela ceifou ao longo dos séculos? Por quais motivos? Como ela considera as mulheres até hoje?

Não encontrarão nadica de nada. Aquela sua voz macia e trêmula nunca me enganou.

Dom Paulo Evaristo Arns é apenas mais uma farsa criada pela ditadura militar.



sábado, 16 de abril de 2016

O que o PT fez com o PT

O PT renunciou ao PT em julho de 2002, quando divulgou a Carta aos Brasileiros, na verdade a Carta aos Banqueiros. Depois disso, foi eleito.

Essa carta, feliz ou infelizmente, foi escrita por dois amigos meus, um dos quais, raivoso, me bloqueou.

O PT, quando nasceu (1978), era uma espécie de nova opção entre as ditaduras latino-americanas e os cartéis dos EUA que sempre dominaram e dominarão tudo tudo tudo, de um lado, e a burocracia soviética, aquele pesadelo no qual um sonho lindo de 1917 se tornou.

Portanto, realmente não me comove que o PT perca o poder hoje para uma escumalha podre de que deveria ter se livrado antes mesmo de chegar ao poder.

A pergunta que eu faço ao PT é a seguinte: vocês se livram da podridão do PMDB, do mau cheiro do PP, do PSB, do PR e em vez de comemorar choram? Isso é razoável de se esperar do PSDB, mas... de vocês?... Quem são vocês afinal??

A pergunta que não quer calar:

- VOCÊS SE LIVRAM DA ESCUMALHA PODRE E CHORAM EM VEZ DE COMEMORAR? QUEM SÃO VOCÊS AFINAL?

Vocês são o que sempre foram desde julho de 2002: parte do projeto Delfim. Esmola para os superpobres, super-lucro para os super-ricos e uma megablaster popularidade de um líder carismático, um misto de Padim Ciço com Antônio Conselheiro e Getúlio Vargas, desde que se mantenha o Padim Ciço sangrando e sozinho, todos os seus cumpanhêrus na Papuda ou em Curitiba. Quem me contou que havia um "Projeto Delfim" foi um dos meus inteligentes amigos de direita. O plano era fundir o PT e o PSDB e fundar algo tipo o PRI mexicano e governar por 70 anos. Não deu certo, pois as vaidades das meninas do PSDB jamais suportaram submeter-se ao único personagem capaz de anestesiar os movimentos sociais: Lula.

O Itaú-Unibanco teve lucro líquido de 23,5 bilhões em 2015. O Bradesco, 17,5 bilhões. O bolsa-família custou 24 bilhões. O bolsa-família tirou 40 milhões de brasileiros da fome.

Lula, em 1979, tinha uma alergia terrível aos estudantes, principalmente os organizados em tendências marxistas ou oriundi, Curiosamente, foi com esses militantes que montou sua base e seu governo. Dos sindicatos, trouxe apenas os tesoureiros. Os outros líderes sindicais, jogou ao mar. Dos "estudantes", tipo José Dirceu e Palocci, trouxe a militância severa, obediente e maluca, mas também jogou ao mar.

Lula fez a sua parte no Plano Delfim: anestesiou os movimentos sociais, e só ele seria capaz disso. Durante seus governos (incluindo os anos da poste-Dilma), não houve rebeliões. Mas anestesiou a tal ponto que não consegue tirá-los do coma para salvá-lo. Bem feito.

O resto está aí nos noticiários. Lula sangrando e sozinho, desta vez inútil, pois não consegue mais eleger postes. Sua sede de corrupção é sabida há décadas. É praticada há décadas e não só por ele. Paulo Francis foi assassinado por Fernando Henrique Cardoso (então dono da Petrobras) quando disse que a maior estatal brasileira era fonte de corrupção.

O PT vai passar para a história dos coxinhas como o partido mais corrupto do mundo, o que obviamente é uma mentira uma vez que a corrupção é sistêmica desde Adão e Eva. Mas merece.

Quem vende a alma pro diabo não tem direito de reclamar.


terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

O Bolsa-banqueiro e a verdadeira fábrica de vagabundos

É realmente comovente como os banqueiros são perseguidos. Será pelo fato de nunca fabricarem um único palito de fósforo e mesmo assim lucrarem algo em torno de três bolsas-famílias por ano? Ou será porque seus acionistas receberam R$ 37 bi em 2015 (só os três maiores bancos privados) para serem remunerados pelo esforço de levantar uma taça de espumante da mesa até a boca?

De onde vem esse lucro espetacular? Enquanto o país "afunda", segundo o já quase sem nenhuma audiência Jornal da Globo, com aquele sujeito com boca de chupar ovo que fala dos números "horrorosos" da economia e jamais menciona os números simultaneamente espetaculares dos bancos, quanto mais o país afunda mais os bancos decolam. Sempre foi assim, sempre será.

Será?  Serão. Bancos são hienas, virabostas, vampiros - e me desculpem os sindicatos das criaturas citadas.

Pense bem. Quando você deixa seu dinheiro no banco, ele te remunera à razão de 0,5% ao mês. Então ele pega o SEU dinheiro e empresta a outro você à razão de 14% ao mês.

O que é isso? Empreendorismo? Ou roubo?

Daí me dá engulhos quando ouço pessoas que venceram tudo, conseguiram montar um pequeno negócio em São Paulo e, contaminados pelo horroroso preconceito coxinha paulistano, acusam o bolsa-família de ser fábrica de vagabundos por ter tirado sua própria família da fome no Nordeste.

Estou falando dos arredores da avenida Paulista, corredor dos bancos e berçário da verdadeira vagabundagem deste mundo.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Por uma imprensa laica, ou "Nazaré, onde nasceu Jesus"




http://www.youtube.com/watch?v=X-ZRJdszqeM


Pouquíssimos cientistas levam em conta a existência de um Jesus histórico. Não há evidência da vida física de um dos inúmeros aproveitadores ou psicopatas que se autoproclamavam O messias no século 1, naquela região que está em guerra estúpido-religiosa há cinco mil anos e que deixou de sê-lo desde a descoberta do petróleo lá. O novo testamento foi escrito nos anos 300. É óbvio que se trata de um embuste tão patético quanto a existência da fada dos dentres, do papai Noel ou das armas quimicas no Iraque.

Apesar disso, a mídia "informa" que aconteceu sei-lá-que-merda em Nazaré, "onde nasceu Jesus". Vejo isso impresso, televisionado ou na web, assinado por grandes e tradicionais corporações de mídia. Na caruda, sem corar.

Como assim, "onde nasceu Jesus"? Quem disse? Não estou falando de espaço de tevê comprado por evangélicos. Estou falando do católico Jornal Nacional.

O jornalismo, já repeti à exaustão, resume-se a quatro operações:
1. Duvidar
2. Perguntar
3. Apurar
4. Publicar

Essas operações não são efetuadas quando se trata de carnaval, futebol ou religião. Se fizessem essas quatro coisas pensariam antes de escrever idiotices do tipo "Em Nazaré, onde nasceu Jesus" ou "a Páscoa, que comemora a ressurreição de Jesus...".

Quando falam de budismo ou dos índios, dizem "os budistas acreditam que..."; "segundo as lendas do povo ianomâmi...". Mas quando se trata de um gay loiro de olhos azul-hollywood de tanguinha sexy e barriga sarada numa cruz sadomasô, tudo muda. O jornalismo vira outra profissão.

E depois falam que só os muçulmanos são bárbaros e os nordestinos são desinformados.

Quanto mais a ciência avança, mais assombração me aparece.